segunda-feira, 30 de maio de 2016

Como Organizar uma Festa Infantil

Foi em um de meus passeios pela web que encontrei essas dicas e sugestões de como organizar uma festa ou um evento.

Achei muito legal e quis compartilhar com meus seguidores.

Essas orientações, ajudará você a criar uma meta para que sua sua festa seja um sucesso!
Então vamos la...

1-Lista de convidados e temas de festas

   A lista de convidados é muito importante e é o primeiro passo para
   uma festa bem organizada por isso faça a lista  para saber a quantidade
   de pessoas que irá convidar ,converse com seu filho(a) o tema da festa.

   Crianças que vão comemorar de 1 aninho a 3 o tema pode ser personagens
   baby ou mesmo de desenhos animados que ele(a) goste de assistir.

   De 4 a 9 anos, nessa idade a criança já tem uma opinião e entende a festa
   que está sendo preparada deixe ela a vontade para escolher o tema e convidar
   seus amiguinhos .

   De 10 a 13, nessa faixa etária eles já são pré adolescentes e mais exigentes, 
   gostam de cantores teens e já pensam em dançar, então prepare uma pista
   de dança, ou um karaokê.

 2-Alimentos (comida e bebidas)
   Sabendo a quantidade de pessoas que irá convidar você já pode ir atrás dos 
   "comes e bebes" da festa.

A média de consumo por pessoa é de : 10 salgadinhos, 
5 docinhos ,
100 grs de bolo, 
400 ml de refrigerante, 
150 grs de maionese, de 
300 a 400 grs de carne assada. Lembrando que esta quantidade varia de pessoa por pessoa algumas comem mais outras menos.

    Compre a quantia de comida para a quantidade de pessoas que voçe
    convidou sem exageros, considerando que de 10% a 15% de convidados
    não comparecem, então se exagerar o desperdício de comida será 
    inevitável .
    
                   Dicas
    *Se fizer churrasco, exclua os salgadinhos e inclua maionese.

    *As crianças preferem cachorro quente a qualquer outro sanduíche

    *Agua mineral deve estar presente

    *Doces com formato de bichinhos ou com toalhinhas são apenas para
      enfeitar a mesa ou serem dados de lembrancinhas.

    *Os brigadeiros são a preferência de qualquer criança, por isso não deixe 
       faltar, em segundo lugar estão os beijinhos.

    *As crianças se preocupam mais em brincar do que comer, por isso coloque
      os lanches em locais estrátegicos para que elas possam pegar, e se 
      sentirem a vontade

3-Local da festa
  Agora é hora de saber o lugar onde vai ser preparada a festa que pode ser 
  em 
casa ( festas em casa são para poucos convidados geralmente só para os 
  parentes e alguns amigos) 
escola (na escola a criança festeja em companhia de seus colegas de classe e  sua família ) 
chácaras ou salão  festas em 
 chacaras são uma ótima opção comporta uma quantidade maior de convidados muitas tem piscina que as crianças adoram no verão, churrasqueira, enfim é 
 preciso ver se tudo isso cabe no seu orçamento é claro ( em salão também
 comporta mais convidados e o aluguel de alguns salões é mais baratinho

4-Convites
 Compre os convites, coloque bem explicado o dia a horas e o local com 
 ponto de referencia para que os convidados encontre o lugar com mais
 facilidade .Distribua os convitinhos com no mínimo 15 dias de antecedência 

 5-Mesas e cadeiras
   Se você vai fazer uma festa para mais de 15 convidados então com certeza 
   vai precisar de mesas e cadeiras, alugue quantidade suficiente para não
   faltar coloque num lugar de destaque uma mesa grande para o bolo e os 
   docinhos e uma pequena para colocar os presentes que o aniversariante 
   receber, não esqueça das toalhas plasticas para as mesinhas pois são
   ótimas porque são descartáveis e baratas.

6-Recreação
   Em festa de criança o que não pode faltar é recreação elas gostam  mais
   de brincar do que qualquer outra coisa, se estiver dentro do seu orçamento 
   alugue brinquedos como: piscina de bolinhas,pula pula, cama elástica e outros.
    Se não puder invente algumas brincadeiras não deixe faltar o bexigão que continua sendo o preferido das crianças.

Fonte: 
http://vaniakitfesta.blogspot.com.br/2011/04/kit-festas.html?m=1
  

sábado, 21 de maio de 2016

CupCake X Muffin

Chegando um friozinho aqui em São Paulo, antiga terra da garoa, e eu como boa paulistana, adoro café com leite, pão com manteiga e uma bela fatia de bolo, aquele bolo simples, sem recheio e cobertura, o bolo de lanche da tarde, sabe!

E numa destas tardes geladas, conversando com uma cliente sobre minha preferencia citada acima rsrsr...

Ela contou que adorava fazer bolinhos individuais para tomar com uma boa xícara de chá, mas que nunca soube qual era a diferença entre cupcakes e muffins, para ela, eram todos iguais!

Trabalhando com culinária, criando e descobrindo novos sabores, percebi que também sou  fã e sempre fui, desses bolinhos  e que no começo, também não sabia se eram cupcakes ou muffins.

  O que sabia... É que eram saborosos!! e com café com leite então, nem se fala!

Mas... Fui buscar receitas... E fazer para entender.

A base é a mesma, massa de bolo, onde colocamos pequenas porções  em forminhas de papel e levamos ao forno em uma assadeira própria,  sabemos que estão prontos, quando espetando um palito, esse sai limpinho.


Para se fazer os cupcakes, a massa deve ser leve, macia e adocicada, depois de assados, esperamos eles  esfriarem, fazemos um orifício bem no centro dos bolinhos, tirando um pouquinho da massa e colocando um  recheio. Para finalizar, decoramos com uma cobertura. Tanto o recheio quanto a cobertura são livres, podendo usar a criatividade e o bom gosto.


E para fazermos os muffins, o processo é o mesmo do cupcake, usamos uma massa de bolo, só que menos adocicada, podendo incorpora à massa, frutas secas, castanhas, gotas de chocolate...  Não há recheios e nem coberturas.

Muitos fazem os muffins com massa salgada e eu particularmente, acho que ficam muito saborosos! Como fazer? Simples, massa de torta de liquidificador.

Há três maneiras que costumo fazer:

 - Misturo o  recheio à massa,  coloco até a metade das forminhas,

- Coloco pequena porção de massa na forminha, salpico o recheio por cima ou...

- Coloco o recheio no fundo da forminha e depois, pequena porção  da massa por cima.

 Levado para assar em assadeira própria no fogo médio.



A culinária é uma arte!

Depois dessa conversa, com minha cliente,
fui buscar imagens pra ilustrar a página da
 Doce'Arte Brasil e escrever essa matéria aqui
no blog.


 


Um beijo

Culinarista Elaine Saes

Ah!** as imagens são ilustrativa os  muffins são de Martha Stewart.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Confeitos e Granulados

Cada um no seu lugar. Um atelier bem organizado, inspira e alegra o trabalho.

Aqui temos os vidros da Maria Brigadeiro, o que há de mais especial em brigadeiria gourmet.

Para inspirar a Elaine Saes da Doce'Arte Brasil.

imagem google

Na torta, a ordem dos fatores altera o produto

Massa de torta se faz com farinha de trigo, manteiga, ovo e, quase sempre, açúcar. Mas esse é um dos (muitos) casos de confeitaria em que a ordem dos fatores altera o produto.

E o que muda basicamente é a maneira de empregar a manteiga. Ela pode ser misturada com a farinha com as pontas do dedos, até virar uma farofa – o método é chamado de sablage; o líquido entra em seguida, para dar liga.

 Quando a manteiga é misturada com o açúcar, até virar um creme, é a crémage (neste caso, a farinha é a última a entrar no preparo). Resulta em uma massa delicada, que dissolve na boca, ideal para mini tortas. Feita a opção, escolhe-se o tipo de massa entre os cinco mais utilizados no preparo:
 


Tarte tatin, torta francesa de maça: um exemplo do uso da massa folhada. FOTO: Alex Silva

Pâte sucrée: leva farinha de trigo, açúcar, manteiga, ovo e água. É firme, doce e o açúcar carameliza, deixando-a crocante. Resistente, aceita bem recheios úmidos. Combina com cremes ácidos e frutas.

Pâte sablée: leva os mesmos ingredientes que a sucrée, porém menos açúcar e mais gordura. O resultado é uma massa delicada, macia, que dissolve na boca. Requer recheios mais secos e contrasta bem com os bem doces.

 Pâte brisée: leva farinha de trigo, manteiga, ovo e água, mas não açúcar. Por isso seu sabor é neutro. A textura quebradiça lhe rendeu o apelido de massa podre. É indicada para quiches e tortas salgadas.

Massa de biscoito: é feita com biscoito de maisena ou de leite, triturado, e misturado à manteiga. Pode ser usada crua ou assada. Crua, é compacta e firme. Assada, se torna quebradiça e crocante.

Folhada: farinha, manteiga, sal e água. A fórmula é simples, o preparo, trabalhoso: a massa é esticada, pincelada com manteiga e dobrada – pelo menos seis vezes. Apesar de rica em gordura, quando bem feita é leve e crocante. Pode ser usada na tarte tatin, também com recheios de castanhas ou geleias.

DICAS

1. Água ou leite podem substituir o ovo. A água evapora com o calor do forno, o que deixa a massa crocante; com leite, ela fica escura e macia.

2. Quanto mais manteiga, mais quebradiça fica a massa. Use manteiga sem sal, gelada e em cubos, jamais cremosa, pois ela não dá estrutura à massa.

3. Parte da farinha de trigo pode ser trocada pela a de amêndoa ou de castanhas, como a do pará.

4. Uma pitada de sal realça o sabor doce da massa, mas ele deve ser misturado primeiro aos ingredientes secos, como farinha ou açúcar, para não desidratar os demais.

5. Depois de pronta, a massa deve passar pelo menos 30 minutos na geladeira embrulhada em filme plástico. Isso a deixa maleável. As massas podem ser congeladas por até três meses e devem ser descongeladas na geladeira.

6. A massa deve ser pré-assada parcialmente quando o tempo de cozimento do recheio não for suficiente para assá-la. Ou ser assada completamente quando o recheio não tiver de ir ao forno.

7. Quando for assada com o recheio, deve ter bordas para sustentá-lo.

8. Para que o recheio não umedeça a massa e ela perca crocância, impermeabilize-a, depois de assada e fria, com pinceladas de manteiga, clara ou chocolate. Deixe secar antes de despejar o recheio.

9. Ponha a massa na assadeira (não precisa untar), cubra com papel-manteiga e ponha sobre ela um peso (pode ser feijão cru). Asse em forno preaquecido a 180°C por uns 10 minutos. Retire o papel e o peso e devolva a massa ao forno para acabar de assar e dourar, por mais 20 minutos, aproximadamente.

10. Para dar brilho e cor à tampa de massa, pincela-a com uma camada fina de mistura de ovo e um pouco de água antes de assar.

11. Para evitar que a base da torta fique úmida e empapada, uma boa solução é começar assando a massa na parte de baixo do forno em temperaturas mais altas (200°C), e então diminuir a temperatura no meio do processo.

COBERTURA


As tortas podem ser fechadas por uma camada de massa ou finalizadas com coberturas variadas, que depois vão ao forno ou à geladeira. Só se cobre uma torta com massa quando se pode assar o recheio. As tortas cobertas devem ter cortes na massa – aberturas para a ventilação do recheio no forno, especialmente as de frutas, que tendem a crescer e estourar. Treliças e tiras, entre outras, têm função decorativa, não prática. Os principais tipos de cobertura são:

- Ganache de chocolate: creme à base de chocolate derretido e creme de leite.
- Merengue italiano (pré-cozido), ou francês (assado para virar suspiro ou dourado com maçarico).
- Farofa (é usada no crumble)
- Geleias
- Chantilly
- Raspas de chocolate, lascas de amêndoas, frutas secas, cerejas ou nozes são bastante usadas para decorar tortas abertas.


A massa usada nessa torta salgada de palmito pupunha é a brisée. FOTO: Felipe Rau/Estadão

RECHEIO

A relação entre recheio e massa determina o sucesso ou a ruína de uma torta. Sem exagero. Eles têm de ser absolutamente compatíveis. Um recheio úmido vai escorrer, molhar e empapar uma massa delicada. Ele requer firmeza capaz de segurá-lo. Mas a mesma massa firme pode acabar com um recheio delicado. E nem pense em ir colocando o recheio a qualquer momento, cada tipo tem a hora exata para entrar em cena. Veja como fazer com diferentes recheios:

Frutas: o que determina a hora de colocar um recheio de fruta sobre a massa é o estado da fruta que você vai usar: crua, cozida ou em forma de purê ou geleia. As geleias são usadas sobre massas já assadas; as frutas frescas e cruas, laminadas ou em pedaços, geralmente vão ao forno para assar junto com a massa, em tortas fechadas. É horrível quando, ao cortar uma torta de frutas, o recheio espirra. Para deixá-lo mais firme, um bom truque é usar farinha e manteiga: primeiro passe os cubos de fruta na farinha e depois cubra com manteiga derretida. Tapioca também é boa para espessar recheios de frutas suculentas como framboesa e cereja.

Cremosos: são moles, geralmente não vão ao forno e devem ser despejados na massa já assada. Creme de confeiteiro (simples ou aromatizado, cremes à base de leite condensado ou aqueles engrossados com gema e amido de milho são bastante populares. Exemplos? Tortas de frutas com creme de confeiteiro, torta de limão, cremes de chocolate.

Ganache: é um creme gelado, à base de chocolate e creme de leite fresco. Quanto mais creme de leite, mais líquida será a ganache. É usado sempre sobre a massa pré-assada, diretamente, ou sobre frutas ou castanhas e nozes.

Tipo pudim: são os recheios macios, mas estruturados, geralmente uma mistura de ovos e creme de leite, que é espalhada sobre a massa pré-assada, pura ou coberta com frutas. Vai ao forno para ganhar consistência “de pudim”.

Firmes: compactos e finos, podem servir de base para o recheio ou ser o próprio recheio. Geralmente são feitos de queijo ou ricota ou de mistura de amêndoas com manteiga e ovos, caso do frangipane. São espalhados sobre a massa pré-assada e cobertos com a outra parte do recheio, de frutas etc…


Fechada, com recheio de maças maceradas em açúcar e especiarias: a tradicional apple pie inglesa. FOTO: Alex Silva/Estadão

MATA-DÚVIDAS

Qual a melhor fôrma – vidro, metal ou cerâmica?
O diretor de assados do Instituto de Educação Culinária de Nova York, Nick Malgieri, recomenda de vidro do tipo pirex. Embora as de metal conduzam melhor o calor, as de vidro deixam a crosta crocante. A desvantagem é que ela pode encolher e perder a forma, mas dá para corrigir, adicionando farinha à massa. A de metal define melhor o formato da torta. E a de cerâmica demora para assar.

Deve-se assar a massa antes de pôr o recheio?
Sim, diz a escritora Dorie Greenspan. Para reduzir a umidade, a alternativa é espalhar sobre a massa uma camada de migalhas de pão para absorver o líquido do recheio.

Qual o maior segredo da torta?
“Não tente fazer tortas extravagantes. Isso é o mais importante quando você está começando. E não comece pelas tortas pequenas”, diz o chef Andrew Carmellini.

Qual a gordura mais indicada?
A massa ideal fragmenta-se em migalhas grandes; as ruins viram areia ou precisam ser serradas.
O ideal, para o cientista de alimentos Harold McGee, seria uma gordura com o sabor da manteiga, a umidade do toucinho e a flexibilidade da gordura vegetal. Sua preferida? Gordura vegetal, mais neutra.

DICA FINAL

Forrar o forno com papel alumínio pode ser útil, caso a torta exploda e o recheio derrame. Há quem discorde, mas, por favor, não coloque a torta sobre uma assadeira: “Isso tende a moderar tanto o calor que a massa acaba não ficando dourada o suficiente”, diz o historiador de comida e escritor Andrew F. Smith. E assim chegamos ao fim, mesmo sabendo que as bordas podem ficar meio caóticas, o gradeado mais com cara de jaula do que de esquadria e aquelas frutas podem começar a derramar no fundo do forno enquanto olhamos tristemente pelo vidro com um rolo de papel toalha na mão.

fonte: http://paladar.estadao.com.br/noticias/comida,na-torta--a-ordem-dos-fatores-altera-o-produto,10000009619

Bolo enlatado


A mais nova tendência chegando aqui em São Paulo!!
Bolo na Lata ou Bolo enlatado.
Hummmm será que agradaria pão de mel enlatado???

Imagens ilustrativas do google


Imagens ilustrativas do google

Tortas...

Antes de assar , adicionar um toque especial às suas tortas  é a maneira perfeita de personalizar... Não Acha?!
Doce'Arte Brasil se Inspirando....

marthastewart.com

Glaçagem de Chocolate - Chocolate Branco ou Colorido

A glaçagem é uma receita prima da ganache, mas que resulta em um produto mais fluido para se trabalhar e possui um acabamento mais brilhante, até que em inglês é chamado de chocolate mirrow glaze, por causa deste efeito de "espelho".

Foto: Divulgação (Silikomart)

Mas após uma busca na internet você encontra receitas diferentes, umas que levam gelatina, outras de levam manteiga, uma leva água e creme de leite e outra só leite e no final ficam as dúvidas.

As receitas mais comuns de glaçagem levam leite ou creme de leite e água, que dá no final quase a mesma coisa como resultado final, glucose, açúcar (nas receitas com chocolate branco acaba não levando porque o chocolate já tem bastante açúcar), chocolate em pedaços, e em algumas receitas também vai cacau em pó.

A gelatina sem sabor, em geral usada em folha mas também pode ser usada em pó, garante que a glaçagem fique com uma espessura mais grossa no final e também junto com a glucose ajuda a dar um brilho mais intenso.

A manteiga é usada nas receitas que são mais semelhantes ao ganache, só que devido a proporção do chocolate e creme de leite é um pouco mais líquida e a manteiga é adicionada para dar um pouco de brilho, que é diferente ao obtido com gelatina e glucose.

No preparo há sim alguns pulos-do-gato para que ela dê certo.

Um deles é peneirar, de preferência com uma peneira fina e de metal, para que você consiga eliminar todos os gruminhos que possa ter, especialmente por causa da gelatina. Se por um acaso a sua peneira não for muito fina ou se você ainda achar que tem gruminhos, use um mixer ou um liquidificador para deixar a glaçagem mais lisa e depois peneire novamente.

Se você for cobrir um bolo, a dica é cobrir o bolo com uma camada fina de mousse e deixando o bolo na geladeira ou no freezer para que a cobertura fique fria, assim ao despejar a glaçagem, ela adere bem e você também consegue uma bela espessura de glaçagem por toda a sua cobertura.

Outra dica importante, praticamente uma obrigatoriedade para garantir um acabamento perfeito, é o uso de uma grade de confeiteiro ou um suporte dentro de uma assadeira para se colocar em baixo do bolo ou doce. Tanto a grade quanto o suporte dentro de uma assadeira grande faz com que a glaçagem escorra pelas laterais do doce e todo o excesso fique na assadeira, garantindo um acabamento liso e impecável.

Foto: Divulgação (Chef Rachida)

A aplicação da glaçagem para uma cobertura total do doce deve ser feita pelo centro do doce, para que ela vá escorrendo para as bordas e consequentemente cobrindo as laterais. O uso de uma espátula grande ou angular também é essencial para ajudar a espalhar levemente a cobertura no topo do doce e o excesso escorra pelas laterais.

Vamos as receitas!

Glaçagem de Chocolate

10 g de gelatina sem sabor em folha ou 11,5 g de gelatina sem sabor em pó + 50 ml de água fria
210 g de açúcar
110 ml de água
65g de cacau em pó
65 ml de creme de leite
50 g de chocolate amargo

Primeiro hidrate a gelatina usando água gelada. Se for usar a gelatina em folha coloque as folhas em uma tigela com uma boa quantidade de água gelada e deixe hidratar por uns 10 minutos. Usando gelatina em pó coloque 50ml de água fria para hidratar. Mas atenção! No caso da gelatina em pó é preciso usar esta quantidade exata de água pois ela faz parte do preparo.

Agora em uma panela coloque o açúcar, a água, o cacau em pó e o creme de leite, aquecendo até ferver, mexendo constantemente. Quando ferver tire o fogo a panela e adicione o chocolate em pedaços, misturando até que ele derreta completamente. Por último adicione a gelatina hidrata, sendo que se usar as folhas, exprema bem as folhas com as mãos para tirar todo o excesso de água para então adicionar a receita, mas se for usar a gelatina em pó hidratada como explicamos acima é só adicionar.

Misture bem a glaçagem com a ajuda de um batedor e transfira para um outro recipiente passando por uma peneira fina. Ah! Lembrem-se dos pulos-do gato para o preparo que falamos anteriormente...Mixer, peneirar de novo...

A sua glaçagem está pronta, mas pode deixar ela esfriar um pouco para então usar. Cubra o recipiente com um filme plástico, tomando o cuidado de encostar o filme na superfície da glaçagem para que não se crie uma película. Se for usar no dia seguinte, leve a glaçagem para geladeira e antes de usar aqueça em banho-maria até atingir 44 grau aproximadamente.



Glaçagem de Chocolate Branco ou Colorido

12 g de gelatina sem sabor em folha ou 13 g de gelatina sem sabor em pó + 57ml de água fria
250 ml de leite aquecido
50 g de glucose
600 g de chocolate branco
Corante alimentício em pó (apenas para o colorido)

Primeiro hidrate a gelatina em folha ou em pó por uns 10 minutos. Em seguida, aqueça em uma panela o leite e a glucose até quase ferver e então adicione o chocolate branco em pedaços, mexendo para que ele se derreta por completo. Se for fazer colorido é chegada a hora de adicionar o seu corante, colocando de pouco a pouco até obter a tonalidade desejada. Por último adicione a gelatina hidrata e misture bem.

Assim como a glaçagem de chocolate, transfira para outro recipiente passando por uma peneira e lembre-se dos pulos-do-gato.


*

Atenção para a lista de compras:

Açúcar
Cacau em pó
Chocolate amargo
Chocolate branco
Corante alimentício em pó
Creme de leite
Gelatina em folha ou em pó
 Leite

Fonte: http://blog.barradoce.com.br/search/label/Gla%C3%A7agem

Temperagem do Chocolate

O processo de temperagem muitas vezes é encarado pelas pessoas que vão trabalhar com chocolate como algo difícil de ser feito. Ele nada mais é do que aquecer o chocolate a uma certa temperatura, esfriá-lo e aquecê-lo novamente para que se obtenha no final um chocolate que fique duro corretamente para que ao quebrá-lo você possa escutar o "snap", que é o barulho que mostra que ele foi feito corretamente, além de uma força de encolhimento, para que ele desenforme sem dificuldade do molde, e por fim para que ele tenha um brilho único.

Foto: Divulgação

Quando não se realiza a temperagem o chocolate demora muito mais para endurecer e quando endurece se derrete facilmente na mão, pode ficar com uma consistência granulada e não se obtém um produto final com brilho ou apresenta manchas esbranquiçadas.

O propósito básico do processo é realizar a pré-cristalização da manteiga de cacau, que está relacionada a temperatura de trabalho do chocolate. Ao derreter o chocolate numa temperatura entre 40 e 55 °C, dependendo do tipo de chocolate, as moléculas de manteiga de cacau se desmontam e quando o chocolate esfria as moléculas da manteiga de cacau voltam a obter o formato de cristais, sendo que cada formato possui uma temperatura diferente de derretimento. O que se deseja com a temperagem é ajudar a manteiga de cacau a obter apenas a forma de um dos tipos de cristais para que o chocolate obtenha as características que mencionamos acima.

É como se você fosse construir uma casa com tijolos de barro. O barro pode fazer vários modelos de tijolos (cristais), desde os frágeis até os mais resistentes. Se você constrói uma casa com tijolos frágeis a casa é frágil, então você precisa de tijolos resistentes o bastante para construir uma casa bem estruturada e forte.

Entendendo agora o que a temperagem faz com a manteiga de cacau é preciso saber que cada tipo de chocolate, o branco, ao leite e meio amargo/amargo, possuem temperaturas de derretimento diferentes, de resfriamento e temperatura ideal para se trabalhar.

Veja no gráfico abaixo as temperaturas para se trabalhar com cada chocolate:


Existem 3 métodos para se realizar a temperagem:

ADIÇÃO
O método por adição consiste em derreter 70% do chocolate que se vai usar e adicionar os outros 30% em forma de callets ou raspado. Como o chocolate já vem temperado da fábrica, estes 30% que vão ser adicionados vão estimular que a formação dos cristais da manteiga de cacau seja correta.

MECÂNICO
O método mecânico é aquele que se derrete o chocolate e depois se trabalha com ele na bancada de granito ou mármore para se esfriar e depois esquentar novamente até a temperatura de trabalho.

CRYOGENIZAÇÃO
Este método ajuda a estabilizar a cristalização da manteiga de cacau com o uso do Mycryo. Para cada quilo de chocolate se adiciona 10g de Mycryo (1% do peso do chocolate). Para realizar a cryogenização primeiro se derrete o chocolate até atingir 40 a 45°C seja em banho-maria ou no microondas e depois é preciso mexer o chocolate até 34-35°C para chocolate amargo ou 33-34°C para chocolate ao leite e branco.

Neste momento se adiciona o Mycryo, mexendo bem para que fique bem incorporado ao chocolate. Quando o chocolate atingir 31-32°C para o amargo ou 29-30°C para o ao leite e branco, já se pode usar. Caso o chocolate fique com uma temperatura abaixo destas, é só aquecer novamente até ficar na temperatura para se trabalhar.

 

Extraído http://blog.barradoce.com.br/

Ovo de Colher - Dicas

Os ovos de colher são um sucesso e ocupam cada vez mais o lugar dos ovos tradicionais de cascas ocas e bombons dentro, mas para se preparar um belo ovo bem recheado existem algumas dicas.



Ovo casca grossa!
É isso mesmo! O ovo de colher precisa ter uma casca mais grossinha, para que além de ficar ainda mais irresistível fique firme para que se coloque o recheio.

1001 recheios
Os recheios podem ser os mais variados. Vale recheio do brasileiríssimo brigadeiro e suas infinitas variações, como também doce-de-leite, trufa, massa de cakepop, bolo, sorvete e diversas opções de sobremesas.

Fechamento
O acabamento e fechamento do ovo de colher depende do tempo em que for levar para ele ser consumido. Aqueles que tiverem a decoração feita com o próprio recheio, como brigadeiro ou doce-de-leite ou com frutas frescas por exemplo, devem ser consumidos em um prazo bem curto.

Para que o ovo dure um pouco mais é preciso compactar bem o seu recheio, para que não fique bolhas de ar, e seja fechado com uma camada de chocolate. Este fechamento com o chocolate sela o recheio e evita que ele estrague rapidamente. Além de fechar o ovo de colher, o chocolate pode ser incrementado com um confeitos, granulados ou simplesmente um transfer.

Extraído: http://blog.barradoce.com.br/

sábado, 7 de maio de 2016

Serviços



Trabalhamos com uma equipe de profissionais dedicados.
Você idealiza e nós realizamos. Oferecemos diversas opções em serviços para sua festa, seu evento e sua comemoração.
  • kit festa - Bolo, Salgados, Doces e Lembrancinhas
  • Bolo
  • Salgadinhos
  • Mini Tortas
  • Mini Lanches
  • Docinhos Tradicionais
  • Doces finos
  • Lembrancinhas comestíveis: Personalizamos com o tema da festa.
  • Para o café: Mini Pães de mel

  • Kit Coffee break/ Breakfast/Bruch/Chá da Tarde/Lanche Box para empresas, escolas, eventos e residências
Breakfast (café da Manhã) mais reforçado, servido entre 6:00 e 10:00
Coffee Break uma parada rápida para o café de 15 a 30 minutos, intervalos de cursos e palestras. 
Bruch (uma mistura de café da manha e almoço, ocorre entre 10:00 e 14:00.
Chá da Tarde, parecido com
O Breakfast, porém servido à tarde das 15:30 às 18:00h.
  • Salada de Frutas
  • Sucos
  • Polenguinho
  • geleias
  • Chás
  • torrada
  • Refrigerante 
  • Salgadinhos
  • Mini Lanches
  • Mini Tortas
  • Achocolatado
  • Bolo caseiro
  • Mini Pães de Mel.

  • Lanche Box - alimentação rápida, para congresso, palestras, translado.

  • Kit para festas temática
Cardápio personalizado como exemplo:

Sabor Brasil:
  • Coxinha
  • Mini cuscuz
  • Mini torta de frango
  • Milho no potinho
  • Curau
  • Pamonha cremosa de forno
  • Goiabada com queijko
  • Brigadeiro de amendoim
  • Doce no potinho de abóbora, cocada, canjica, arroz doce
  • Mini bolo de fubá
  • Mini pão de mel caipira

  • Bolos
  • Tortas Salgada frescas e congelada(tamanho normal e brotinho)
  • Salgadinhos congelados e fritos
  • lembrancinhas Personalizadas
  • Bem-casados/Bem-nascidos
  • Doce finos
  • Doces diet - sem lactose - sem gluten.
Maiores informações entre em contato:

doceartebyelainesaes@hotmail.com

WhatsApp (11) 98170-9220





Smash the Cake

O Smash the Cake está virando moda aqui no Brasil! Vindo dos EUA nada mais é do que fotos que registrem o primeiro encontro da  crianç...